Polícia Civil do Estado do Acre

Policiais Civis doam cadeira de rodas à vítima de arma de fogo que ficou paraplégica

Assessoria/ PCAC

Na manhã da última sexta-feira, 14, policiais civis da Delegacia da Segunda Regional de Rio Branco realizaram um ato de solidariedade, ao doarem uma cadeira de rodas a uma jovem, vítima de disparo de arma de fogo, que ficou paraplégica. A iniciativa partiu da equipe que estava acompanhando o caso, que ficou sensibilizada com a grave situação enfrentada pela vítima.

Ao vivenciar in loco as dificuldades enfrentadas por ela e sua família, os policiais mobilizaram esforços para conseguir doações que pudessem contribuir para amenizar o sofrimento da jovem. Foto: Cedida.


A mulher, de apenas 26 anos, mãe de três crianças, perdeu completamente os movimentos dos braços e pernas após ser vítima de um disparo de arma de fogo. Devido a sua mobilidade física limitada, ela depende integralmente dos cuidados de sua mãe. A situação chamou a atenção dos policiais, que decidiram agir para proporcionar melhorias na qualidade de vida da vítima.


Desde o início da investigação, a equipe da Delegacia da Segunda Regional demonstrou empatia e dedicação ao caso, realizando diversas visitas à residência da vítima, uma vez que sua locomoção estava seriamente comprometida. Ao vivenciar in loco as dificuldades enfrentadas por ela e sua família, os policiais mobilizaram esforços para conseguir doações que pudessem contribuir para amenizar o sofrimento da jovem.

Ações como essa fortalecem a relação de confiança entre a polícia e a comunidade, mostrando que a busca pela justiça está aliada ao respeito e à solidariedade aos cidadãos. Foto: Cedida.


A equipe foi a procura de parceiros para arrecadar recursos visando a compra da cadeira de rodas, e felizmente, com a mobilização de toda equipe foi possível a aquisição do equipamento especialmente adaptado às necessidades da mulher. Essa doação representa um grande alívio para a vítima, que agora terá maior autonomia e mobilidade.


O Delegado Samuel Mendes, responsável pelo caso na Delegacia da Segunda Regional, destacou a importância de prestar um atendimento humanizado e integral às vítimas de crimes, visando não apenas a apuração dos fatos, mas também ao cuidado com o bem-estar daqueles que sofrem com as consequências dessas ações violentas.

“Essa atitude solidária dos policiais demonstra que a polícia também pode atuar como um agente de transformação social, buscando ajudar aqueles que enfrentam situações de vulnerabilidade após serem afetados por crimes. Ações como essa fortalecem a relação de confiança entre a polícia e a comunidade, mostrando que a busca pela justiça está aliada ao respeito e à solidariedade aos cidadãos”, declarou o delegado Samuel Mendes

O caso continua sendo apurado pela Delegacia da Segunda Regional, que permanece atenta às necessidades da vítima e de sua família, oferecendo o suporte necessário para que eles possam superar as dificuldades enfrentadas. Essa história de solidariedade serve como exemplo de como a união da sociedade pode fazer a diferença na vida daqueles que mais precisam de auxílio e compaixão.